“Como 10 anos “em casa” me tornaram uma melhor líder no Google”

Qual é o real valor do tempo “em casa”?

A executiva do Google e mãe de três filhos, Martha Ivester compartilha o que aprendeu sobre o valor do seus 10 anos como mãe e dona de casa e como este tempo impactou positivamente na sua carreira.

Depois de 10 anos “em casa”, e com 44 anos, ela retornou ao mercado de trabalho em uma posição full-time e sendo a única mãe trabalhando na empresa.

Após finalizada sua trajetória nessa empresa e antes de partir para o Google, no seu último dia, sua equipe preparou um presente de despedida especial: um quadro reunindo notas de agradecimento de cada um dos membros da equipe, no qual mencionavam especificamente como o trabalho dela influenciou na vida deles e na própria empresa, a seguir alguns exemplos:

  • Ela ajudou a mudar a cultura da empresa, especialmente na percepção sobre as mães que trabalham, mostrando um caminho que pensavam não ser sustentável: ter uma mãe trabalhando full-time em uma indústria predominantemente masculina.
  • Contribuiu no empoderamento das mulheres, mostrando que sim é possível ser líder sendo mulher, impulsionadas pelas qualidades que as diferenciam.

Ela apresenta como o tempo investido na pausa maternidade é bom para o futuro dos filhos e também para os negócios.

Quais são os estereótipos sobre a mãe que sai do mercado laboral para dedicar-se aos filhos?

  • Que não são motivadas
  • Que não tem capacidade de execução
  • Não tem ambição profissional

Após uma vida profissional de sucesso atendendo grandes empresas como Nike, Microsoft, HP, ela decide sair no mercado laboral e se dedicar plenamente a maternidade.

Mas, logo de um tempo, ela sentiu falta da sua carreira e queria voltar.
E ao mesmo tempo, queria ser o exemplo para suas filhas de que poderiam ser o que elas quisessem, motivá-las a correr atrás da carreira que desejassem e mostrar que é possível conciliar carreira e família.

Ela apresenta dados sobre a realidade das mulheres nos Estados Unidos, uma realidade que não é tão diferente da nossa:

A realidade mostra que 80% das mulheres são mães até os 40 anos.

E 71% das mães trabalham fora de casa, e cada vez mais são a principal fonte de renda da família.

Mesmo assim, grande parte das mulheres saem do mercado após os filhos e durante o bom tempo: 1 em cada 3 passam em média 3 anos “em casa” cuidando dos filhos.

Ela compartilha como vivências familiares fortaleceram habilidades que a tornam mais valiosa no mercado de trabalho.

Habilidades que para a mãe que está em casa, são exercitadas 24hs por dia e 7dias por semana.

Entre as habilidades (soft-skills) destacadas, menciona:

  • Ser resolutiva
  • Comunicar assertivamente
  • Ser empoderada
  • Empatia
  • Compartilhar visão
  • Inspirar
  • Planejamento do tempo
  • Organização
  • Flexibilidade
  • Relacionamento inter-pessoal

Adicionalmente, relata como a maternidade mudou sua perspectiva em relação a sua relevância e ambição e seu impacto para motivar mulheres e demonstrar que é possível continuar competitiva mesmo cuidado dos filhos.

A maternidade a tornou uma funcionária melhor, uma gestora mais eficiente e principalmente uma líder.

Para finalizar, ela compartilha dois estudos realizados pelo Google sobre habilidades que definem gestores de sucesso e características de equipes eficientes.

Identificaram os 8 comportamentos chave para gestores de sucesso, sendo eles, os mais importantes os seguintes soft-skills:

  • Empatia
  • Comunicação
  • Empoderamento
  • Bem-estar

Parecem familiares?
Sim, todos exercitados durante a maternidade.

Ao estudar as características de equipes altamente eficientes, identificaram que:

Bem-estar psicológico

É o fator mais importante.
Isto descreve um clima organizacional que transmite confiança e respeito mutuo permitindo assumir riscos, sem se sentir julgado.

Somado a: Estrutura e claridade, Propósito, Impacto

Este perfil de equipes, são:

  • mais leais a empresa, contam com índices de retenção maior
  • mais propensos a aceitar diversidade de opiniões
  • trazem mais receita

Como isto afeta as mães que estão “em casa”?

O que as mães que ficam em casa fazem durante o dia?

Não é garantir o clima de bem-estar psicológico, oferecer estrutura e claridade para seus filhos, ajudar a interpretar o mundo, encontrar significados e caminhos para se diferenciar?

As habilidades chave para o sucesso na gestão e para equipes altamente eficientes são aqueles que as mães exercitam diariamente.

Ser mãe é acordar todos os dias pensando em como o trabalho que vou fazer hoje vai ter o maior impacto em tornar meus filhos os melhores seres humanos. Como encorajar bons comportamentos e motivá-los para que se sintam confiantes para assumir riscos e tomarem decisões inteligentes na vida.

Porém, a verdade é que existe uma penalização da maternidade no salário da mulher que passa pela pausa maternidade. E é difícil de recuperar.

De acordo a um estudo da Universidade de Massachusetts, esta penalização é de 4% por filho.

Ao mesmo tempo, para o homem, o salário, de fato aumenta (Bônus Paternidade) no mínimo 6%.

A Universidade de Massachusetts, demonstrou que empregadores valorizam mais os pais, desfavorecendo as mães.

Entre 35 e 40 anos, é faixa etária na qual os profissionais alcançam o maior desempenho e maior remuneração e é o período mais atravessado pela maternidade para a maioria das mulheres.

E voltar é uma batalha.

90% das mulheres que saíram do mercado para cuidar dos filhos desejam voltar, porém, menos da metade consegue retornar em posições full-time que atendam suas expectativas.

As pessoas pensam que quem estendeu a pausa maternidade escolheu abandonar a carreira. Mas, na verdade, é um período de desenvolvimento de habilidades que tornam a mulher mais valiosa no mercado de trabalho, segundo o estudo do Google.

O cuidado dos filhos ensinam sobre compaixão, motivação para enfrentar adversidades, e como se posicionar.

Estar presente na rotina dos filhos nos permite também “re-calibrar” o que a próxima geração de homens pensa sobre o que é normal e as oportunidades para fazer as maiores diferenças no futuro da mulher.

Começa aqui, com nosso exemplo e com nossos filhos.

Contrate mais mães e impulsione os resultados da sua empresa.

Sobre a Martha Ivester: ela trabalhou para algumas das marcas líderes mundiais em tecnologia, entretenimento e esportes, incluindo Google, a Creative Artists Agency (CAA), a Nike, a Microsoft e muito mais. Depois de uma década como mãe e dona de casa, Martha voltou a trabalhar na indústria da música antes de ingressar no Google em 2015.

Assine para continuar recebendo conteúdo exclusivo.

%d blogueiros gostam disto: